Um condado da Pensilvânia passou da crise à bonança graças ao gás natural. Agora, está quase falido.

por Jamie Martines do Spotlight PA | 8 de março de 2021*

WAYNESBURG, no condado de Greene, está a falir.

Apesar de receber milhões em pagamentos da indústria do gás natural como compensação para condados que albergam poços de gás natural, Greene está a ter dificuldades em equilibrar o seu orçamento de mais de 40 milhões de dólares. Este ano, no meio de uma pandemia, os membros da comissão do condado aumentaram os impostos sobre a propriedade pela primeira vez desde 2010.

Se não houver grandes mudanças, Greene pode não ter as receitas nem as reservas necessárias para cobrir os seus custos a partir de 2023, segundo as projeções do gabinete orçamental do condado.

É uma situação financeira que parecia praticamente garantida, já que a indústria de extração de carvão aqui quase desapareceu, enfraquecendo a espinha dorsal da economia local. Isto até a grande expansão do gás natural – e o enorme influxo de dinheiro que a acompanhou – oferecer um caminho diferente.

O lucro inesperado pareceu dar ao condado de Greene, situado no canto sudoeste do estado, tempo para descobrir como sobreviveria sem carvão.

No entanto, quase 10 anos e mais de 1000 poços de gás natural depois, o condado não parece estar em melhor situação financeira do que quando começou, tendo gasto 37,2 milhões de dólares das taxas de impacto sem reservar dinheiro para planear o dia em que o trabalho, inevitavelmente, desaceleraria.

“Rapidamente percebi que não havia planeamento fiscal”, disse Mike Belding, um dos dois novos membros da comissão do condado de três assentos. “O dinheiro estava a ser gasto à medida que entrava.”

Greene, com 36.000 residentes, é um dos 31 condados em todo o estado que recebem pagamentos de “taxa de impacto” através de um programa estadual iniciado em 2012, denominado Lei 13. Os fundos são distribuídos anualmente e os pagamentos baseiam-se em fatores como o número de poços numa área e a população.

Apenas três outros condados, Bradford, Susquehanna e Washington, receberam mais dinheiro do que Greene das taxas de impacto ao longo da vida do programa, de acordo com relatórios apresentados à Comissão de Utilidade Pública da Pensilvânia.

Porém, ao contrário de outros que reservaram dinheiro para investimentos futuros, os relatórios orçamentais mostram que Greene utilizou cerca de 17,5 milhões de dólares, desde 2015, para equilibrar o seu orçamento. A outra metade foi para projetos que os novos comissários consideram ser de vistas curtas e esbanjadores, como a encomenda de um plano abrangente de 400.000 dólares que nunca foi utilizado e um programa de empréstimo comercial de 550.000 dólares sem retorno para o condado.

O comissário do condado de Greene, Mike Belding, faz uma visita guiada pelo condado de Greene, que está quase falido após anos do que ele considera uma má gestão financeira.

Belding e a outra nova comissária do condado, Betsy McClure, republicana como ele, prometeram parar de utilizar as taxas de impacto para equilibrar o orçamento a cada ano. Até agora, reservaram cerca de 4,5 milhões de dólares para utilizar em projetos futuros, como a repavimentação de estradas, o desenvolvimento de áreas recreativas e a expansão da Internet de banda larga.

Uma tarefa nada fácil, de acordo com Belding. Não depender das taxas de impacto significava encontrar outras formas de preencher uma lacuna de 5 milhões de dólares no orçamento de 2021.

“Tentamos todas as outras oportunidades possíveis, cortando todas essas despesas”, disse Belding. “Simplesmente não conseguimos lá chegar. Por isso, tomamos a difícil decisão de aumentar os impostos.”


Crise, bonança, crise

O declínio da indústria do carvão aqui é inevitável. Mesmo à saída de Waynesburg, o centro do governo do condado, a mina Emerald está parada. É uma das nove que estavam em funcionamento em 2011, segundo os registos do Departamento de Proteção Ambiental do Estado.

Contudo, em 2015, a mina Emerald fechou o negócio de 38 anos, citando reservas esgotadas, um mercado em desaceleração e um ambiente regulamentar desafiante. Cerca de 300 pessoas perderam o emprego, e as torres verdes da mina e os intermináveis trilhos são um lembrete constante.

Em 2019, o número de minas ativas caiu de nove para quatro, e a população do condado diminuiu em cerca de 2500 residentes.

“Estamos a tentar recuperar o atraso de décadas”, disse o comissário Blair Zimmerman, um democrata na comissão desde 2012 e que trabalhou na superfície da mina Cumberland durante mais de 40 anos. Anteriormente, fora presidente da câmara de Waynesburg.

As torres remanescentes da mina de carvão abandonada, conhecida como mina Emerald, são visíveis na periferia de Waynesburg, no condado de Greene.

Ele e os outros dois membros da comissão disseram que o condado deveria ter começado a planear a transição da dependência do carvão há muito tempo, e que, agora, está a pagar o preço por essa inação.

Em 2012, o governador republicano Tom Corbett aprovou a Lei 13, reformulando os regulamentos estaduais da indústria do gás e do petróleo.

No primeiro ano do programa, o condado de Greene foi compensado com 3 milhões de dólares. Ao mesmo tempo, os trabalhadores temporários contratados por empresas de gás para construir centenas de novos poços aumentaram a procura por imóveis para arrendar, disse Belding. As propriedades que eram alugadas por cerca de 500 a 600 dólares por mês, passaram a custar mais de 1200 dólares, e novos hotéis foram construídos para acomodar a mão de obra.

As empresas e os restaurantes locais foram impulsionados e, há cerca de 10 anos, um Walmart juntou-se às fileiras de restaurantes fast-food e cadeias de estações de serviço à saída da interestadual.

O condado albergava 1257 poços de gás natural e arrecadou uma média de 4,1 milhões de dólares anuais em pagamentos de taxas de impacto até 2019, o ano mais recente para o qual há dados disponíveis.

“É uma sorte inesperada”, disse Belding. “É como ganhar um pouco da lotaria. Receber um influxo de dinheiro de algo que é inesperado.”

No entanto, à medida que a indústria do gás começou a desacelerar, o mesmo aconteceu ao número de trabalhadores de fora da cidade que gastavam dinheiro em hotéis e na economia local. As empresas de energia estão a perfurar menos poços de gás natural novos, portanto, espera-se que os pagamentos da Lei 13 também diminuam.

O condado também espera que, pelo menos, mais duas operações mineiras abrandem nos próximos dois anos.

Outros condados rurais da Pensilvânia lidam com desafios semelhantes, disse Lisa Schaefer, diretora executiva da Associação de Comissários do Condado da Pensilvânia, que apoia os governos dos condados em todo o estado.

Das 13 novas empresas que realizaram cerimónias de inauguração no condado de Greene em 2019, 12 substituíram as vitrines anteriormente cheias.

Muitos têm pequenas bases fiscais comerciais, mas grandes áreas de terrenos estatais protegidos, como áreas de caça, parques e florestas, que não são tributadas. A diminuição da população significa que há menos pessoas a partilhar a carga fiscal sobre a propriedade. As que ficaram tendem a ser residentes de mais idade que já estão fora do mercado de trabalho.

Cerca de 18% das 36.000 pessoas residentes do condado de Greene têm mais de 65 anos e 19% têm menos de 18 anos, de acordo com os dados do censo.

Os condados precisam de ganhar dinheiro para que possam prestar serviços como apoio à saúde mental, programas de combate às drogas e ao álcool, serviços para crianças e jovens; programas que sofreram cortes na ordem das dezenas de milhões de dólares ao nível estadual e federal, nos últimos anos.

“Portanto, se o apoio a esses níveis também continuar a diminuir, será cada vez mais difícil para os condados compensar a diferença, especialmente quando apenas podem recorrer ao imposto sobre a propriedade”, disse Schaefer.


Negligenciar as reservas

Os condados têm ampla discrição na forma como gastam as taxas de impacto, mas são obrigados a comunicar os detalhes à Comissão de Utilidade Pública da Pensilvânia, e esses relatórios são publicados online.

Os registos mostram que Greene alocou milhões em categorias como construção de infraestruturas públicas, serviços sociais e segurança pública, mas não mostram exatamente como foram distribuídos. E nos últimos nove anos, nada foi gasto em iniciativas de planeamento, redução de impostos, preservação da água ou centros de formação profissional.

Por sua vez, o condado de Bradford informou ter depositado cerca de 23,8 milhões de dólares dos pagamentos da Lei 13 no respetivo fundo de reserva de capital. Washington, o vizinho mais populoso de Greene ao norte, reservou 37,1 milhões de dólares em reservas, segundo os registos. Porém, o condado de Greene depositou apenas cerca de 1,2 milhões de dólares na reserva de capital.

“Durante anos, foi difícil ver a liderança do condado a fingir que o carvão continuaria a avançar ao mesmo ritmo que antes”, disse Veronica Coptis, nativa do condado de Greene e diretora executiva do Center for Coalfield Justice, uma organização sem fins lucrativos com sede no condado de Washington que defende comunidades onde ocorre a extração de combustíveis fósseis.

Há sete anos que trabalha em questões relacionadas com o desenvolvimento económico da região.

“É definitivamente um ponto de viragem ver a governação eleita reconhecer a realidade da nossa crise económica”, disse Coptis.

A população diz-lhe frequentemente que as suas comunidades precisam de investimento em infraestruturas básicas. Isto inclui lidar com questões como pragas ou a repavimentação de estradas e passeios, disse Coptis.

“A população precisa de poder confiar na sua água”, acrescentou. “As suas escolas precisam de ser boas.”


“É lamentável”

Bob Morris, 58 anos, abriu a Burgers & More, uma loja de sandes que serve carne da sua própria quinta, na State Route 21, em Waynesburg, há cerca de um ano e meio.

Esperava que a maioria da sua clientela fosse camionistas de transporte de combustíveis e equipamentos para operações de perfuração locais. Em vez disso, a maioria são residentes locais que procuram alternativas às cadeias de fast-food: as únicas empresas que parecem conseguir sobreviver, disse Morris.

A sua sobrinha, Kelli Bosworth, ajuda a gerir a cozinha. Mesmo numa sexta-feira fria no final do inverno, há uma correria constante à hora do almoço e Bosworth alterna entre atender o telefone e receber pedidos na hora.

Bob Morris, ao centro, proprietário da Burgers & More, recebe um pedido de um cliente enquanto trabalha com o irmão, Scott Morris, à direita, no negócio de hambúrgueres da família, em Waynesburg. Morris disse que tem planos de expandir a loja no verão, para servir gelados à população local.

Com 34 anos e mãe de quatro, Bosworth disse que gostaria de ver mais oportunidades para os seus filhos: lugares seguros, como parques ou piscinas onde possam brincar, acesso à internet e uma boa educação.

Cerca de 20% das famílias no condado não tinham acesso à Internet em 2018, segundo os dados do censo. Na primavera passada, cerca de 40% dos 4.652 alunos do ensino básico e secundário do condado não tiveram acesso às aulas online quando as escolas fecharam no início da pandemia, de acordo com estimativas do condado.

É uma melhoria que Johnny Humble, proprietário de longa data de uma empresa em Greene, disse ser crítica se o condado pretende atrair, e manter, novas empresas e residentes. Das 13 novas empresas que realizaram cerimónias de inauguração no condado em 2019, 12 substituíram as vitrines anteriormente cheias, disse Belding.

Humble gere a sua empresa há 47 anos, primeiro com o pai, depois por conta própria, como Humble Carpet and Decorating Center (centro de decoração e carpetes Humble), durante 25 anos. Ainda instala pisos com o filho, todos os dias.

Embora muita da clientela seja local, ter um site e presença nas redes sociais foi fundamental para ajudar a empresa a sobreviver e crescer, mesmo antes de a pandemia do coronavírus chegar e ele ser forçado a limitar as reuniões presenciais com potenciais clientes, disse Humble.

“Pelo amor de Deus, estamos em 2021”, disse Humble. “É lamentável.”

Correção: Uma versão anterior desta história comunicou erradamente a percentagem de famílias sem acesso à Internet no condado de Greene. Em 2018, 20% das famílias não tinham acesso.

*Tradução do artigo “A Pennsylvania county went from bust to boom times with natural gas. Now, it’s nearly broke.” de Jamie Martines: https://www.spotlightpa.org/news/2021/03/pa-greene-county-broke-tax-increase-gas-payouts-businesses/