A solução climática adiciona de facto milhões de toneladas de CO2 à atmosfera

Publicado na revista “MIT Technology Review” (Revisão da Tecnologia do MIT)

Novas pesquisas mostram que a política climática da Califórnia criou até 39 milhões de créditos de carbono que não estão a produzir economias reais de carbono. Contudo, as empresas podem comprar essas compensações florestais para justificar continuar a poluir mais.

por James Temple e Lisa Song a 29 abril 2021 em

https://www.technologyreview.com/2021/04/29/1017811/california-climate-policy-carbon-credits-cause-co2-pollution

Imagem Jon Han

Ao longo da costa do norte da Califórnia, perto da fronteira com o Oregon, o ar fresco e húmido do Pacífico sustenta uma faixa de florestas tropicais temperadas. As sequoias e os abetos Douglas dominam estes bosques molhados e grossos, criando uma cobertura a dezenas de metros de altura.

Mas se viajarmos para o interior, a mistura de árvores altera-se gradualmente.

Depois das cumeeiras das montanhas Klamath, entra-se numa região onde predomina uma mistura sempre verde de pinheiros (“sugar pines”), cedros de incenso e ainda mais abetos Douglas. Enquanto se continuar na Cordilheira Cascade, atravessam-se florestas esparsas dominadas por pinheiros Ponderosa. Estas árvores altas e delgadas com cones espinhosos prosperam nas condições mais quentes e secas no lado leste do estado.

Todas as árvores consomem dióxido de carbono, libertando o oxigénio e armazenando o carbono nos seus troncos, ramos e raízes. Cada tonelada de carbono sequestrada numa árvore viva é uma tonelada que não contribui para a mudança climática. E essa espessa floresta costeira pode facilmente armazenar duas vezes mais carbono por acre do que as árvores mais profundas do interior.

Essa matemática é crucial para determinar o sucesso do programa de compensação florestal da Califórnia, que procura reduzir as emissões de carbono preservando árvores. O estado estabeleceu o programa há uma década como parte ose seus esforços para combater as mudanças climáticas.

Mas a ecologia é confusa. As fronteiras entre os tipos de florestas são difusas e a quantidade real de carbono num determinado acre depende das condições climáticas locais, esforços de conservação, história da indústria madeireira e muito mais.

O mais importante regulador do clima da Califórnia, o Conselho de Recursos Aéreos, encobriu grande parte dessa complexidade na implementação do programa do estado. A agência estabeleceu limites fixos em torno de regiões gigantes, reduzindo o carbono armazenado numa ampla mistura de espécies de árvores em médias regionais simplificadas.

Essa decisão gerou dezenas de milhões de créditos de carbono com valor climático duvidoso, de acordo com uma nova análise da CarbonPlan, uma ONG sem fins lucrativos de São Francisco que analisa a integridade científica dos esforços de compensação de carbono.

O programa de compensação permite que proprietários florestais em todo o país ganhem créditos para cuidar das suas terras com métodos que armazenam ou absorvem mais carbono, tais como reduzir a exploração madeireira ou o desbaste de árvores de menor porte e arbustos para permitir o aumento do crescimento global. Cada crédito representa uma tonelada métrica de CO2. Os proprietários das terras podem vender os créditos aos grandes poluidores na Califórnia, tipicamente empresas petrolíferas e outros negócios que queiram emitir mais carbono do que aquele que é permitido pela lei estadual. Cada tonelada extra de carbono emitida pela indústria é balanceada por uma tonelada extra armazenada na floresta, permitindo que as emissões líquidas permaneçam dentro de um limite definido pelo estado.

Desde o último outono, o programa produziu cerca de seis dúzias de projetos que geraram mais de 130 milhões de créditos, no valor de 1,8 mil milhões de dólares a preços recentes.

Embora o cálculo da quantidade exata de carbono economizado pela preservação de florestas seja complicado, a lógica do Estado da Califórnia para a concessão de créditos é relativamente simples.

O Conselho de Recursos Aéreos estabelece a quantidade média de carbono por acre armazenado em alguns tipos de florestas que abrangem grandes regiões dos Estados Unidos. Se, no seu caso, possui terra que contém mais carbono do que a média regional, com base num levantamento de árvores no seu terreno, então pode obter créditos para a diferença. Por exemplo, se sua terra possui o equivalente a 100 toneladas de CO2 por acre e a média regional é de 40 toneladas, então pode ganhar créditos para economizar 60 toneladas por acre. (Esta história referir-se-á a cada tonelada de CO2 equivalente como uma tonelada de «carbono».) Além disso, tem que se comprometer a manter o alto armazenamento de carbono da sua floresta nos próximos 100 anos.

Estas médias regionais destinam-se a representar os níveis de carbono em florestas privadas típicas. Mas as médias são determinadas a partir de áreas tão grandes e com tão diversos tipos de florestas que elas podem diferir drasticamente do carbono realmente armazenado nas terras selecionadas para projetos.

As florestas de projetos que excedem significativamente essas médias estão frequentemente a ganhar muito mais créditos do que os benefícios reais de carbono que eles fornecem, segundo foi analisado pela CarbonPlan.

Este processo também incentiva os promotores que iniciam e lideram estes projetos a procurar especificamente por áreas florestais onde os níveis de carbono se destacam acima dessas médias – seja devido à localização do local dentro de uma região, seja à sua combinação de espécies de árvores ou a ambos.

A CarbonPlan estima que o programa do estado gerou entre 20 milhões e 39 milhões de créditos que não se traduzem em benefícios climáticos reais. São, com efeito, créditos fantasmas que não preservaram carbono adicional nas florestas, mas que permitiram que os poluidores emitissem muito mais CO2, em quantidade similar às emissões anuais de 8,5 milhões de carros.

Estes créditos fantasmas representam quase um em cada três créditos emitidos através do programa primário de compensação florestal da Califórnia, o que permite destacar falhas sistémicas nas regras e sugerindo manipulações duvidosas generalizadas do mercado.

«O nosso trabalho mostra que o programa de compensação florestal da Califórnia aumenta as emissões de gases de efeito estufa, apesar deste constituir uma grande parte da estratégia do estado para reduzir a poluição climática», disse Danny Cullenward, diretor de política da CarbonPlan. «O programa cria a falsa aparência de um progresso quando, na verdade, piora o problema climático.»

Por seu lado, o Conselho de Recursos Aéreos defendeu o programa e contestou a tese central do estudo.

«Nós discordamos da afirmação de que os proprietários de terras ou promotores de projetos estão a manipular o sistema ou que há estimativas inflacionadas» de reduções de gases de efeito estufa, disse Dave Clegern, porta-voz do Conselho de Recursos Aéreos. Cada versão das regras de compensação «passou pelo nosso robusto processo de revisão regulatória pública», com contribuições da indústria florestal, academia, agências governamentais e ONG’s sem fins lucrativos, acrescentou ainda.

O programa de compensação florestal da Califórnia é o maior programa do país regulado pelo governo. Outros programas de compensação florestal são voluntários, permitindo que empresas ou indivíduos comprem créditos para diminuir a sua pegada ambiental.

O estudo da CarbonPlan aparece dias depois da legislatura estadual de Washington ter enviado para aprovação ao governador um projeto de lei de “cap-and-trade” (comércio de emissões) com um programa de compensação. O estado de Oregon também debateu nos últimos meses o estabelecimento de um programa de mercado de carbono que emularia a política da Califórnia. Em Washington, DC, a administração Biden sinalizou um crescente interesse em aproveitar florestas e solos para compensar emissões de CO2. Muitas empresas também planeiam cada vez mais confiar fortemente nas árvores para efeitos de compensação das suas emissões em vez de enfrentar a tarefa mais difícil de reduzir a poluição que produzem.

As compensações florestais têm sido criticadas por uma variedade de problemas, incluindo os riscos de que as reduções de carbono sejam de curta duração, que a economia de carbono seja eliminada pelo aumento da extração de madeira em outros lugares e que os projetos estejam a preserva florestas que nunca correm o risco de serem derrubadas, produzindo créditos que não refletem mudanças do mundo real nos níveis de carbono.

Mas a análise da CarbonPlan destaca ainda uma questão diferente e interligada com estes outros problemas. Mesmo que tudo o resto sobre um projeto fosse perfeito, os promotores ainda seriam capazes de minar o programa explorando médias regionais.

Sempre que um poluidor usa um crédito que, de facto, não economizou uma tonelada de carbono, a quantidade total de emissões sobe.

Longe de aliviar as mudanças climáticas, as compensações florestais da Califórnia parecem estar a adicionar dezenas de milhões de toneladas de CO2 na atmosfera em equilíbrio, minando o progresso nas metas de emissões a longo prazo do estado.

«Quando se retira todo o jargão, fica-se com um conjunto de suposições defeituosas que deixam a porta aberta para a emissão sem sentido de créditos de compensação», disse Grayson Badgley, um investigador de pós-doutoramento na Black Rock Forest e na Universidade de Columbia e investigador principal neste estudo.

Escolhidos “a dedo”

A CarbonPlan forneceu à ProPublica e à MIT Technology Review o acesso total e exclusivo a sua análise à medida que estava a ser finalizada. Como parte desse processo, as agências de notícias enviaram o relatório a especialistas independentes para revisão. As organizações também entrevistaram proprietários de terras, industriais e cientistas e reviram centenas de páginas de documentos, incluindo os planos do projeto apresentados pelos promotores. A CarbonPlan colaborou no estudo com especialistas académicos da Universidade da Califórnia, Berkeley, Universidade de Columbia e outras instituições.

O estudo em si não foi desenhado para avaliar se os promotores ou proprietários de terras escolhem intencionalmente locais que se destacam das médias regionais, afirmando apenas que o sistema «permite» que os promotores as selecionem. Mas os próprios investigadores dizem que o nível de crédito excessivo e o agrupamento de projetos em determinadas áreas sugerem que houve manipulação do sistema.

Uma forma de escolha “a dedo” identificada pelos investigadores envolve limites geográficos. No caso do norte da Califórnia, o programa de compensação do estado estabeleceu uma linha divisória que separa essa faixa costeira de sequoias e abetos Douglas de uma região interior que abrange mais de 28.000 milhas quadradas.

As regras do conselho estabelecem que altas florestas de coníferas mistas na região costeira armazenam em média 205 toneladas de carbono por acre. Para a região interior vizinha, a agência fixou a média regional correspondente em 122 toneladas por acre. O número é mais pequeno porque inclui mais árvores com menos carbono, como os pinheiros Ponderosa, que dominam o extremo leste da região interior e estão todos menos ausentes na costa.

Mas onde as duas regiões se encontram, a floresta de ambos os lados é praticamente idêntica em muitos locais, armazenando quantidades semelhantes de carbono. Isso significa que os promotores de projetos podem ganhar muito mais dinheiro escolhendo um local a leste da fronteira, simplesmente porque podem comparar o carbono da sua área florestal com uma média regional mais baixa. Por exemplo, manter uma floresta de 10.000 hectares de sequoias costeiras e abetos Douglas com níveis de carbono de 200 toneladas por acre poderia ganhar zero créditos a oeste da linha ou 624.000 créditos a leste desta. A escolha é entre nenhum dinheiro e mais de 8 milhões de dólares.

Para reclamar o maior número possível de créditos, para a diferença total entre o carbono em suas terras e as médias regionais, os promotores ou proprietários de terras devem mostrar que é legal e financeiramente viável reduzir para essas médias regionais. As médias são efetivamente um ponto de apoio para a forma como florestas semelhantes são tipicamente geridas numa área.

Uma dúzia de projetos estão localizados no norte da Califórnia, quase inteiramente alinhados ao longo da borda ocidental da zona interior, onde as árvores ricas em carbono estão justapostas à média regional mais baixa.

«O que estamos a ver é que os promotores estão a aproveitar o facto de que as grandes árvores e os arbustos terem sido calculados juntos», disse Badgley.

Uma vez que um promotor do projeto de compensação e o proprietário de terras decidam trabalhar em conjunto, o promotor normalmente orienta-os no processo de troca de uma taxa ou uma parte das vendas dos créditos gerados – um acordo que pode valer milhões de dólares.

Um dos mais prolíficos promotores de projetos no sistema da Califórnia é uma empresa de investimento em áreas florestais com sede na Austrália chamada New Forests. A empresa e as suas afiliadas trabalharam em oito projetos localizados quase inteiramente ao longo do lado vantajoso da fronteira, bem como em seis outros lugares. A CarbonPlan, numa análise separada feita para as agências de notícias que não foi incluída no estudo, descobriu que quase todos ganharam créditos duvidosos, num total até 176 milhões de dólares.

Uma grande parte desses créditos veio de um único projeto fora da Califórnia que beneficiou de um erro flagrante nas regras. A filial da New Forests, Forest Carbon Partners, ajudou a Mescalero Apache Tribe a desenvolver um projeto de compensação florestal no Novo México. O projeto ganhou 3,7 milhões de créditos no valor de mais de 50 milhões de dólares, porque estava localizado, na maior parte, numa área onde o Conselho de Recursos Aéreos tinha estabelecido uma média regional erroneamente baixa.

Outra forma de escolha “a dedo” envolve espécies de árvores: os promotores podem procurar áreas com árvores particulares que armazenam muito mais carbono do que a região circundante.

De acordo com o estudo, um projeto no Alasca consiste quase inteiramente de abetos Sitka gigantes. Mas a média regional local foi calculada a partir de uma ampla mistura de árvores, incluindo espécies como os choupos que armazenam muito menos carbono. O projeto ganhou significativamente mais créditos do que deveria ter devido às falhas no sistema, salientou o estudo. O dono do projeto não respondeu aos pedidos de comentários.

Como as regras de compensação de carbono florestal da Califórnia permitem benefícios climáticos inflacionados

Um modo que o Conselho de Recursos Aéreos da Califórnia determina o número de créditos para um projeto é comparando o carbono armazenado naquela floresta com médias regionais. Quanto maior a diferença entre os dois, mais créditos e dinheiro podem ganhar os proprietários de terras.

A média regional de CO2 para as florestas mistas de coníferas na região interior é muito inferior à média das florestas similares na região costeira.

A região do interior foi criada pela combinação de três regiões ecológicas diferentes, tal como definidas pelo Serviço Florestal dos EUA, algumas das quais têm níveis de carbono muito mais elevados do que outras.

A maioria dos projetos de compensação do norte da Califórnia são agrupados ao longo da borda ocidental da região interior, onde os projetos são mais propensos a serem beneficiados por créditos inflacionados.

Fontes: California Air Resources Board, Forest Inventory and Analysis Program Credit: Lucas Waldron, ProPublica

Preservar florestas especialmente ricas em carbono é bom para o clima, por si só. Mas quando as árvores na área do projeto têm pouca semelhança com os tipos de árvores que entraram no cálculo da média regional, isso exagera o número de créditos em jogo, constatou o estudo do CarbonPlan.

Mark Trexler, um antigo promotor de compensações que trabalhou nos mercados de carbono dos EUA e europeus, disse que o conselho deveria ter antecipado os incentivos perversos criados no seu programa.

«Quando as pessoas escrevem regras de compensação, elas ignoram sempre o facto de haver 1.000 pessoas inteligentes que vão tentar enganá-las», disse ele. Desde que o conselho criou um sistema que «incentiva as pessoas a encontrar as áreas que são de alta densidade, ou de alto armazenamento de carbono, isso é o que eles vão fazer.»

Para estimar a extensão da sobre-avaliação no programa da Califórnia, a CarbonPlan calculou a sua própria versão de médias regionais para cada projeto. Os investigadores basearam-se nos mesmos dados brutos utilizados pelo Conselho de Recursos Aéreos, mas apenas usaram dados de espécies de árvores que mais se assemelham à mistura particular de árvores em cada área do projeto.

No total, 74 projetos foram estabelecidos a partir de setembro de 2020, quando a CarbonPlan iniciou a sua pesquisa. A CarbonPlan foi capaz de estudar 65 projetos que tinham documentação suficiente para tornar a análise possível. Todos receberam créditos por manter mais carbono do que a média regional.

Os investigadores descobriram que a grande maioria dos projetos foram sobre-avaliados, mas cerca de uma dúzia teria recebido mais créditos sob a fórmula do CarbonPlan. Estes incluíam dois projetos New Forests, que teriam ganho tanto quanto um adicional de 165.000 créditos.

As agências de notícias enviaram aos funcionários do Conselho de Recursos Aéreos uma cópia do estudo e a sua metodologia detalhada semanas antes da publicação. Clegern recusou vários pedidos para entrevistar funcionários do conselho e apenas respondeu por escrito.

Ele não comentou os cálculos da CarbonPlan. «Não nos foi dado o tempo suficiente para analisar totalmente um estudo inédito e não comentaremos mais sobre a metodologia alternativa dos autores», escreveu.

Os cientistas externos que reviram a pesquisa em nome do ProPublica e MIT Technology Review elogiaram o estudo.

«É deveras um artigo analiticamente robusto e responde a uma questão política muito importante», disse Daniel Sanchez que dirige o Laboratório de Remoção de Carbono na UC Berkeley. Enquanto observadores próximos eles estão bem cientes de inúmeros problemas com as regras de compensação florestal da Califórnia, «eles estão a revelar um conjunto mais profundo de falhas metodológicas graves», disse ele.

Nenhum dos revisores apontou falhas técnicas ou conceituais importantes ao artigo, que foi submetido a uma revista para avaliação por pares.

«Um significativo novo mercado de produtos»

No início de 2015, uma organização sem fins lucrativos sobre remoção de carbono organizou um webinar destacando como é que as tribos nativas americanas poderiam participar do programa da Califórnia.

Um dos palestrantes foi Brian Shillinglaw, um advogado treinado em Stanford e diretor-gerente da New Forests, que supervisiona os programas florestais norte-americanos da empresa. A empresa gere a venda de créditos de carbono, vende madeira e, em nome dos investidores, gere mais de 2 milhões de acres de florestas globalmente, um portfólio que valoriza mais de 4 mil milhões de dólares.

A New Forests também gere a sua filial, a Forest Carbon Partners, em nome de um cliente de investimento institucional que se recusou a nomear. A Forest Carbon Partners financia projetos de compensação e proprietários de terras de pastoreio através do processo de candidatura ao programa de compensações da Califórnia.

«A conclusão é que o mercado de carbono da Califórnia realmente criou um novo mercado de produtos significativo», disse Shillinglaw durante sua apresentação. Ele disse que o programa é algo do qual «muitas tribos nativas americanas podem beneficiar, em parte devido à administração conservadora das suas florestas, o que pode levar a um aumento do rendimento significativo a curto prazo.»

Tradução: Porque muitas tribos desmataram de forma menos agressiva do que os seus vizinhos, as suas florestas ricas em carbono foram preparadas para grandes pagamentos de créditos. Com Shillinglaw, a New Forests ou a Forest Carbon Partners ajudaram a garantir dezenas de milhões de dólares em créditos para as tribos nativas.

Entre os 13 projetos da New Forests que os investigadores da CarbonPlan foram capazes de analisar, entre 33% e 71% dos créditos não representam reduções reais de carbono. Representam quase 13 milhões de créditos no final.

«Embora não possamos provar que New Forests agiu deliberadamente com base na nossa análise estatística, no nosso julgamento não há nenhuma explicação razoável para esses resultados além de que a New Forests se envolveu conscientemente num comportamento de escolha “a dedo” para tirar o máximo proveito das falhas em termos ecológicos no protocolo de compensação florestal», disse Badgley, o investigador principal.

A New Forests geriu o primeiro projeto oficial no programa da Califórnia, ao registar 7.660 acres de terras florestais na Reserva Yurok e perto dela, que se encontra ao longo de mais de 40 milhas ao longo do rio Klamath, perto do agrupamento de projetos da Costa Oeste. O estado emitiu mais de 700.000 créditos para o projeto no seu primeiro ano, no valor de 9,6 milhões de dólares em taxas recentes.

As autoridades estaduais apontaram para a participação da tribo como um triunfo do programa. Em 2014, o Conselho lançou um vídeo promocional que mostrou o meticuloso trabalho de medir árvores no projeto Yurok. James Erler, o então diretor florestal da tribo, explicou como as compensações permitiram que a tribo reduzisse a exploração madeireira. Perto do final do vídeo, Shillinglaw apareceu numa floresta iluminada pelo sol, vestindo uma camisa de colarinho e um blusão com a marca New Forests.

«É uma bela bacia hidrográfica», disse Shillinglaw sobre as imagens de um ribeiro e um alce em pé diante de um bosque denso. «Esta é a terra natal ancestral da tribo Yurok e, em parte devido ao mercado de carbono, será gerida através de uma abordagem de conservação.»

A CarbonPlan estima que o projeto ganhou mais de meio milhão de créditos fantasmas no valor de quase 6,5 milhões de dólares.

Esta é a razão pela qual os investigadores dizem que o projeto foi sobre-avaliado:

A fronteira que divide as regiões costeiras e interiores da Califórnia atravessa o meio da reserva. As florestas ricas em carbono de ambos os lados dessa linha são similares, preenchidas com grandes abetos Douglas como a maior parte da região costeira. Mas mais de 99% das florestas designadas para preservação situam-se na zona interior, onde os níveis médios de carbono são muito mais baixos. O facto do projeto estar localizado na área mais rica em carbono dessa zona permitiu que os proprietários ganhassem um número exagerado de créditos.

A tribo Yurok trabalhou com a New Forests para desenvolver um projeto de compensação de 7.660 acres no lado leste das suas terras.

O facto do projeto rico em carbono se localizar numa região com médias de carbono muito inferiores pode ter produzido mais de meio milhão de créditos de duvidoso valor climático.

Fontes: California Air Resources Board, CarbonPlan / Crédito: Lucas Waldron, ProPublica

Pelo menos uma pessoa envolvida nos esforços de compensação florestal da tribo Yurok estava ciente de como as escolhas geográficas alteram os créditos que podem ser conquistados.

Erler disse, durante uma apresentação de 2015 na National Indian Timber Symposium, que a tribo teve o «distinto prazer» de ter a fronteira a cruzar o seu território.

«Podem usar-se os mesmos dados de inventário e aplicá-los na Costa da Califórnia» – a região a oeste – «e não sai com os mesmos números que dariam caso atravessasse a rua», disse Erler na conferência, como se pode ver num vídeo do YouTube publicado no canal do Intertribal Timber Council. «A vegetação pode ser a mesma, mas os números mudam.»

Badgley disse que, embora os investigadores não possam falar das intenções de quaisquer dos envolvidos, é claro que este projeto «beneficiou de uma sobre-avaliação e que o responsável florestal da tribo Yurok estava ciente de que os aspetos específicos das regras do protocolo que o nosso estudo critica permitiram resultados benéficos.»

Erler não respondeu a uma lista de perguntas enviadas por e-mail.

Numa declaração por e-mail, o porta-voz da Tribo Yurok, Matt Mais, disse que a propriedade era a única terra que a tribo tinha disponível para se inscrever na época e negou fortemente que a tribo estivesse envolvida em qualquer tipo de manipulação do sistema. Ele não respondeu antes da publicação do estudo à questão subsequente sobre o porquê do resto das áreas florestais da tribo não estarem disponíveis para o programa de compensação.

Ao longo da última década, a tribo tem lentamente readquirido dezenas de milhares de acres do seu território ancestral, dentro e à volta da bacia hidrográfica de Blue Creek e outras linhas de água que sustentam a migração de salmão, da Green Diamond Resource Company, um grande negócio de madeira baseado em Seattle. Os complexos negócios de terras em várias etapas foram feitos em parceria com a Western Rivers Conservancy, uma organização sem fins lucrativos e financiada através de subsídios governamentais, doações filantrópicas e a venda de créditos de compensação da tribo.

«À medida que recuperamos florestas adicionais, inscrevemos uma área adicional nos programas climáticos da Califórnia em apoio aos objetivos estratégicos da nossa tribo, incluindo proteger o habitat de salmão, sustentar a revitalização dos nossos modos de vida culturais e promover a auto-suficiência económica», escreveu Mais.

«É insultuoso afirmar que a tribo Yurok ‘beneficiou’ ou ‘explorou’ os regulamentos climáticos da Califórnia», acrescentou. «Igualmente importante, é preocupante que instituições de elite agora nos critiquem por usarmos legal e eticamente um programa que foi criado para proteger as florestas e, em seguida, usarmos esses fundos para comprar e restaurar mais terras florestais que foram, em determinado momento, nossas.»

A New Forests defendeu as suas práticas em respostas por e-mail às perguntas, argumentando que os seus projetos preservaram bolsas de carbono existentes e removeram CO2 da atmosfera através do crescimento subsequente de árvores «conforme confirmado através de verificação de terceiros».

Em comunicado, a empresa disse que tem trabalhado em projetos em inúmeras áreas, não apenas ao longo dos limites regionais do programa. A empresa disse que os seus projetos «protegeram e melhorarão o armazenamento de carbono em centenas de milhares de acres de florestas», acrescentando que um projeto com a Chugach Alaska Corporation permitiu a reforma permanente de uma parcela significativa das reservas de carvão no Campo do Carvão do Rio Bering, no sudeste do Alasca.

A New Forests segue os «regulamentos aceites cientificamente no espírito e na letra do programa», disse a empresa numa declaração subsequente. «A New Forests orgulha-se dos projetos de carbono florestal que desenvolvemos dentro dos programas climáticos da Califórnia. Eles geraram um impacto ambiental positivo e promoveram os objetivos económicos e culturais dos proprietários de terras florestais familiares e das tribos nativas americanas com quem trabalhamos.»

A New Forests não respondeu a inúmeras perguntas adicionais, incluindo perguntas diretas sobre se estava a beneficiar através da má conceção das regras do programa.

Numa resposta por e-mail, a CarbonPlan enfatizou que no seu artigo critica o projeto do programa – não a Tribo Yurok ou os outros proprietários de terras. Nem alega que alguém violou as regras. A sua análise não tem em consideração ou depende da intenção de qualquer proprietário, que podem ser beneficiados da má conceção das regras, qualquer que tenha sido a sua intenção ou conhecimento.

«Reconhecemos as injustiças vividas pela tribo Yurok, incluindo a expropriação das suas terras históricas pelo governo dos Estados Unidos e pelos seus cidadãos», afirmou a organização sem fins lucrativos. «Também reconhecemos o interesse legítimo da Tribo Yurok em garantir recursos para recomprar terras que anteriormente pertenciam à Tribo e seu povo.»

ilustração de JON HAN

Um segredo de Polichinelo

Chris Field, um professor de estudos ambientais na Universidade de Stanford, foi coautor de um estudo de 2017 que descobriu que o programa da Califórnia estava a ajudar a evitar emissões em equilíbrio, reduzindo a exploração madeireira. Cerca de 64% dos 39 projetos estudados estavam «a ser registados ativamente, ou antes, do início do projeto».

Field disse que o programa estadual é «relativamente bem projetado para abordar questões-chave», mas disse que este pode e deve ser melhorado.

Ele acrescentou que existem limites firmes sobre o papel que as compensações podem desempenhar na Califórnia. A partir de agora até 2025, os poluidores estaduais só podem comprar compensações para cobrir até 4% das suas emissões de carbono; De 2026 a 2030, esse limite sobe para 6%.

Mas esses números subestimam o papel crítico das compensações no programa “cap-and-trade” da Califórnia, visto por alguns como um modelo para a política climática baseada no mercado.

Segundo esse programa, a Califórnia vende licenças que permitem que certas indústrias emitam gases de efeito estufa, com cada licença a valer uma tonelada métrica de CO2. O Estado também dá regularmente um certo número de licenças a várias empresas regulamentadas. O número total de licenças, chamada de permissões, denominadas «cap», declina ao longo do tempo.

Os poluidores também podem comprar licenças de outras empresas com extras, o que constitui o «trade», o comércio. Ou eles podem comprar créditos de compensação de carbono que custam um pouco menos do que as licenças.

Para participar do programa de compensação, os proprietários devem contratar técnicos para catalogarem as árvores das suas terras e coletar dados como o tipo de árvore, altura e diâmetro e juntar a informação em equações para estimar o carbono armazenado por acre.

A maior parte dos créditos são distribuídos durante as fases iniciais de um projeto, o que pode ajudar a reembolsar os custos de preparação. Os projetos também podem ganhar créditos adicionais ao longo do tempo à medida que as árvores crescem e absorvem CO2. Mas esses créditos acumulam-se lentamente e são anulados pelos créditos iniciais concedidos a florestas com mais carbono do que a média regional.

O tipo de projetos florestais analisados pela CarbonPlan representa 68 % de todos os créditos emitidos pelo Conselho de Recursos Aéreos desde o lançamento do programa, eclipsando, de longe, outros tipos de compensações, como a captura de metano em instalações pecuárias ou em minas de carvão, segundo descobriu a CarbonPlan.

O programa “cap-and-trade” foi projetado para cortar a pegada de carbono do estado em 236 milhões de toneladas de CO2 durante a próxima década, cerca de um terço das reduções cumulativas necessárias para atingir as metas de emissões do estado ao longo desse tempo.

Barbara Haya, que lidera o Projeto de Comércio de Carbono de Berkeley na UC Berkeley e é co-autora do estudo da CarbonPlan, calculou que até metade desses cortes de emissões de “cap-and-trade” poderiam vir através de compensações.

Haya disse que estas práticas de escolha “a dedo” tem sido um segredo de Polichinelo. O estudo está a «revelar a todos o que muitas pessoas na indústria já sabiam», disse ela.

Conservação versus Clima

Os defensores das compensações florestais dizem que nenhum sistema é perfeito e que focar-se exclusivamente na matemática do carbono ignora os incentivos criados para proteger as florestas.

Field disse que os sistemas de compensação devem equilibrar dois objetivos: garantir cortes reais nas emissões e criar formas de financiar a conservação das florestas. Se o estudo da CarbonPlan mostra que os projetos estão gravitando em direção a florestas de alto armazenamento de carbono, então esses são exatamente os tipos de árvores que se devem de salvar «se se tem uma agenda de conservação», disse ele.

Cody Desautel, presidente do Intertribal Timber Council, um consórcio sem fins lucrativos de tribos nativas baseado em Portland, disse que programas de compensação têm proporcionado uma flexibilidade financeira crítica para as tribos. Eles permitiram que eles comprassem de volta terras históricas, construíssem a infraestrutura necessária, criassem empregos para os membros ou simplesmente economizassem dinheiro para a sua segurança financeira. Mas acima de tudo, eles criaram incentivos para gerir florestas de modos sustentáveis, disse ele.

«As tribos são muito conservadoras», disse Desautel, que também é o diretor de recursos naturais das Tribos Confederadas de Washington da Reserva de Colville, que operam um projeto de compensação sob o sistema da Califórnia. «As suas práticas são em grande parte baseadas no que é melhor para o ecossistema, não no que faz mais sentido economicamente. E nunca houve qualquer interesse para essa abordagem de gestão no passado. Estes projetos de carbono proporcionam uma oportunidade de valorizar isso.»

Ele acrescentou: «Se não há valor em possuir terras florestais, provavelmente não haverá terra florestal no futuro.»

Os projetos de compensação da Tribo Yurok ajudaram claramente neste tipo de caminhos, mesmo que não fornecessem o benefício total em carbono prometido.

A tribo disse que está a usar as terras adquiridas e os fundos para restaurar suas florestas de crescimento antigo, para produzir alimentos tradicionais e materiais tecedores de cestas, para criar um santuário de salmão e para melhorar o habitat de espécies ameaçadas ou culturalmente importantes como o salmão-prateado, a coruja-pintada do norte, o veado de cauda preta e o alce Roosevelt.

«A nossa parceria com a New Forests fornecerá à Tribo os meios para impulsionar a biodiversidade, acelerar a restauração de bacias hidrográficas e aumentar a abundância de importantes recursos culturais como bolotas, mirtilo e centenas de plantas medicinais que prosperam num ecossistema florestal plenamente funcional», disse Thomas P. O’Rourke S.or, então presidente do Conselho Tribal Yurok, num comunicado na época.

Mas se o objetivo social é preservar as florestas, seria mais simples e eficaz descrevê-la com precisão e financiá-la diretamente, disse Haya, a perita da UC Berkeley. Assim que estas florestas ficam associadas a um programa de compensação, a matemática do carbono importa, porque cada tonelada adicional supostamente preservada em árvores permite aos poluidores comprar o direito de emitir uma tonelada adicional de CO2.

As compensações florestais são apelativas ao público, em parte por causa do que os académicos denominam de «carbono carismático» – eles oferecem uma história de bem-estar ambiental e social.

«Qualquer bom defensor da conservação diria que há uma necessidade desesperada de mais financiamento e concordamos inteiramente,» disse Cullenward da CarbonPlan num e-mail. O «problema não é que a conservação seja má. É que o sistema de compensação de carbono canaliza essas necessidades reais e esperanças sinceras num sistema que tritura tudo e deita lixo do outro lado.»

 


O melhor retorno para o investimento”

O Conselho de Recursos Aéreos da Califórnia aprovou as regras oficiais do programa de compensação florestal em 2011, após anos de discussões com dezenas de especialistas, incluindo cientistas do governo e funcionários de grupos de conservação.

Ao adotá-las, a agência contou fortemente com a Climate Action Reserve, uma ONG sem fins lucrativos que criou programas com créditos de compensação voluntários. A ONG sem fins lucrativos, que continua a aconselhar a agência, liderou um esforço para calcular médias regionais de carbono como parte de uma iniciativa para atualizar as suas regras de compensação voluntárias.

Para isso, a ONG utilizou dados do Serviço Florestal dos EUA, que pesquisa dezenas de milhares de parcelas florestais em todo o país. A ONG agrupou dados de diferentes espécies de árvores e combinaram dados de várias zonas geográficas em áreas regionais maiores chamadas super-secções. Esta simplificação permitiu que a Climate Action Reserve criasse um conjunto de linhas de bases comuns que estimavam a quantidade de carbono armazenado em florestas típicas de propriedade privadas. As linhas de base tinham em conta os usos florestais como a exploração madeireira.

Mas o uso dessas médias amplificadas obscureceu diferenças reais no terreno. Algumas pessoas dentro da indústria e os investigadores começaram a notar que os proprietários de terras e promotores rotineiramente localizavam seus projetos em áreas específicas de floresta que diferiam muito das médias regionais.

Zack Parisa, executivo-chefe da empresa de compensação de carbono SilviaTerra, já prestou consultoria a promotores de projetos e proprietários de terras que registavam florestas no sistema da Califórnia. Mas ele disse que parou por causa da frustração ao ver as maneiras como o sistema era regularmente manipulado, incluindo as técnicas de escolha seletiva destacadas pelo CarbonPlan.

Parisa disse que não culpa os proprietários de terras ou promotores de projetos, que estão agindo por interesse racional.

«Se alguém aparecer e estiver oferecendo um contrato para comprar carbono e isso não exigir que eles mudem nada sobre a forma como gerem as suas florestas, isso representa dinheiro gratuito e eles seriam estúpidos em não aceitar», disse.

«Não estou à procura de um vilão aqui», acrescentou Parisa. «Claro que eles procuram o melhor retorno para o investimento»

Além de New Forests, outros promotores também trabalharam em projetos onde as fronteiras favoráveis e tipos de florestas impulsionaram os créditos que poderiam ser ganhos, de acordo com a CarbonPlan. Essas incluem Bluesource e Finite Carbon, que a BP comprou uma participação maioritária no final do ano passado. Os investigadores descobriram que os projetos desses dois promotores, tomados em conjunto, geraram até 24 milhões de créditos que não representam reduções reais de carbono.

À New Forests, Finite Carbon, Bluesource e outras empresas mencionadas neste artigo foram fornecidos um estudo completo e um artigo que o acompanha descrevendo os seus métodos.

A Finite Carbon recusou-se a abordar questões detalhadas, mas salientou que o Conselho de Recursos Aéreos e um auditor independente descobriram que seus projetos estavam em conformidade com as regras.

Num comunicado, a empresa disse que havia «perguntas sem resposta» sobre a metodologia do estudo CarbonPlan, acrescentando, «no entanto, não podemos comentar mais sobre ele, já que os dados brutos subjacentes não estão disponíveis para revisão pública.»

Emily Six, a gerente de marketing e comunicação para Bluesource, negou que a empresa tinha manipulado as regras de qualquer forma.

Num e-mail, Six disse que o programa da Califórnia na verdade não conta o carbono preservado através de projetos por não creditar a quantidade armazenada em outras partes da floresta como solo, arbustos e folhagem. Ela também ressaltou que, sem compensação, alguns proprietários de terras poderiam ter cortado suas florestas para níveis de carbono bem abaixo da média regional.

«Sobrecarregar deliberadamente os benefícios climáticos seria contrário ao nosso propósito de existência», escreveu ela. «A Bluesource existe para melhorar o mundo melhorando o meio ambiente.»

Os especialistas que escreveram as regras de compensação originais basearam-se no único conjunto nacional de dados florestais disponível, do Programa de Inventário e Análise Florestal dos EUA, disse Constance Best, co-fundador do Pacific Forest Trust. Esta ONG sem fins lucrativos esteve intimamente envolvida na criação do programa inicial e participou dele.

Best disse que era necessário criar médias de carbono para regiões e tipos de florestas maiores porque não havia dados de detalhe suficientes para garantir a precisão em níveis altamente locais. Ela contestou a afirmação da CarbonPlan de que os seus investigadores tinham criado uma melhor maneira de calcular médias regionais, uma vez que seu método estava baseado num número inferior de parcelas florestais.

«A razão de algumas super secções serem grandes é para garantir que os dados são mais precisos», disse Best num e-mail. «Então, sua solução cria mais problemas.»

Numa nota separada, ela disse: «O artigo que compartilhou tem uma forte parcialidade editorial que mina as suas descobertas e que me leva a questionar os seus dados e análise. Isso exagera deliberadamente o que eles apresentam como projetos sobre-avaliados.»

Numa declaração por e-mail, a CarbonPlan reconheceu que usar menos parcelas florestais implica alguma incerteza. Mas os investigadores salientaram que eles claramente explicaram isso, fornecendo uma série de resultados e afirmaram que as suas descobertas são mais precisas porque consideraram a mistura específica de espécies de árvores em cada projeto. A CarbonPlan também refutou a a alegação de parcialidade: «Tendo feito o nosso trabalho com base em extensos registos de programas públicos e com métodos, dados e códigos totalmente reprodutíveis, estamos confiantes de que outros investigadores são capazes de julgar o nosso artigo nos seus méritos.»

Embora o conselho tenha atualizado as médias regionais com base em dados florestais mais recentes, os críticos dizem que esforços para resolver problemas mais fundamentais foram frustrados.

Investigadores e ativistas também se preocupam com os laços estreitos entre o Conselho de Recursos Aéreos e os grupos que agora lucram com o programa.

Por exemplo, sempre que um proprietário quer inscrever uma área florestal no programa da Califórnia, eles abrem uma conta na Climate Action Reserve ou em duas outras ONG’s sem fins lucrativos que receberam a bênção do conselho para rever os documentos.

Se o projeto aprovar a revisão da Reserva de Ação do Clima e uma auditoria subsequente pelo conselho estadual, a ONG cobra 19 centavos para cada crédito emitido. Para um dos maiores projetos do programa, por exemplo, isso somado seria mais de 1 milhão de dólares.

Isso «parece-me um enorme conflito de interesses para uma ONG sem fins lucrativos ou não – que projetou o sistema de modo a obter ter uma participação financeira na sua operação,», disse David Victor, professor da Universidade da Califórnia, San Diego, que estudou de perto sistemas de compensação internacionais, num e-mail. (Victor foi recentemente o co-autor do livro Making Climate Policy Work with Cullenward.)

«Em qualquer outro mercado, colocar os participantes do mercado no comando dos elementos-chave de seu design levaria a ‘berros’” sobre os conflitos de interesse, disse Victor. Com o programa de compensação florestal, “todos parecem bem ou até felizes com o acordo”».

A Climate Action Reserve não respondeu a vários pedidos de comentários.

Ilustração abstrata de uma pessoa que olha para uma floresta JON HAN

 

«Demasiado bom para ser verdade»

As madeiras macias resistentes e tolerantes à seca, como zimbros e pinheiros-bravos, dominam a paisagem quente e seca da região central do Novo México, com alguns abetos Douglas e abetos vermelhos mais altos nos trechos mais altos e frios das montanhas.

Mas de acordo com as regras iniciais do programa da Califórnia, essas florestas foram consideradas como não contendo nenhum carbono.

O erro decorreu do facto de que não havia dados do Serviço Florestal disponíveis naquela parte do Novo México quando a Climate Action Reserve calculou as médias regionais, disse Olaf Kuegler, estatístico do Serviço Florestal que prestou assistência técnica à ONG realtivamente à base de dados federal.

Consequentemente, a Climate Action Reserve estabeleceu a média regional para uma área que se estende quase 34.000 milhas quadradas em zero, o que significava que qualquer um que possuísse algumas dezenas de árvores poderia ganhar créditos de carbono.

Kuegler disse que ele não estava ciente do erro até ao início ou meados de 2014, quando Barbara Bamberger, funcionária do Conselho de Recursos Aéreos, lhe perguntou sobre isso. Bamberger, que lidera o trabalho do Conselho em compensações florestais, mais tarde destacou o erro durante um webinar de outubro de 2014 sobre compensações.

Durante a sua apresentação, Bamberger disse que o Conselho estava a atualizar as médias regionais dum modo que poderiam levar a grandes mudanças em certas áreas.

«Isso pode ser devido ao fato de que nenhum dado existiu por alguns anos no período original de 2002 a 2006,» explicou. «Por exemplo, no Novo México os dados não foram coletados até o final desse período.»

Quase exatamente um ano após a apresentação de Bamberger, a filial da New Forests apresentou a papelada para um projeto de quase 222.000 hectares no Novo México, estendendo-se pela reserva de quase meio milhão de hectares da Tribo Mescalero Apache a cerca de 90 minutos a oeste de Roswell. Mais de um terço das árvores do projeto eram abetos Douglas ricos em carbono, de acordo com a papelada do projeto. Shillinglaw assinou os formulários.

O cálculo errado do baixo valor em carbono permitiu ao promotor alegar que poderia ter fortemente derrubado a floresta, aumentando a quantidade de créditos que poderiam ganhar.

O projeto ganhou 3,7 milhões de créditos para o seu primeiro ano, no valor de mais de 50 milhões de dólares.

Quando as regras atualizadas do conselho da Califórnia entraram em vigor duas semanas depois, estabeleceu uma média regional muito maior para a maioria da área do projeto. Se esse padrão estivesse em vigor mais cedo, teria eliminado quase todos os créditos que o projeto ganhou, concluiu a CarbonPlan. O projeto gerou mais créditos fantasmas do que qualquer outro no estudo, com base em seus cálculos mais conservadores das médias regionais de carbono.

O presidente da Tribo Mescalero Apache na época, Danny Breuninger Sr., disse que a tribo acolheu o projeto.

«Nenhum de nós tinha ouvido falar do programa de crédito de carbono e, de certa forma, ele soava bom demais para ser verdade», disse ele. «Mas foi um grande negócio pois funcionou muito bem para nós.»

Breuninger fez mais perguntas ao atual presidente da tribo, Gabe Aguilar. Nem Aguilar, nem o advogado da tribo, Nelva Cervantes, responderam a repetidas investigações.

Num comunicado, o Conselho de Recursos Aéreos disse que o projeto atendeu a todos os requisitos do programa naquele momento. O facto do Conselho estar em processo de desenvolvimento de novas médias regionais usando dados que não existiam anteriormente não tornou os números anteriores «inválidos ou errados», acrescentou.

«Uma segunda onda de colonização»

Os créditos fantasma importam porque permitem que outras empresas comprem o direito de continuar a emitir gases com efeito de estufa reais.

Os créditos do projeto Mescalero Apache Tribe foram vendidos para a PG & E, Chevron, e uma empresa que perfura petróleo no Condado de Kern, Califórnia, de acordo com os números mais recentes disponíveis.

O projeto de 7.660 acres da Yurok Tribe gerou créditos que foram obtidos por uma variedade de empresas de energia como Calpine, PG & E e Shell.

Alguns membros tribais estão profundamente desconfortáveis com a ideia de vender compensações a empresas como esta, mesmo que sejam legítimas, temendo que estejam efetivamente lucrando com a poluição.

As compensações, por definição, permitem que empresas da Califórnia continuem produzindo mais CO2 do que o permitido – bem como os poluentes tóxicos como fuligem e metais pesados que frequentemente acompanham tais emissões – muitas vezes perto de regiões pobres. Comunidades próximas de refinarias, fornos de cimento e fábricas frequentemente se têm oposto programas de compensação.

Thomas Joseph, um ativista e membro da Tribo do Vale do Hoopa, na Califórnia, disse que os promotores de compensações visam projetos tribais porque as tribos estão em «necessidade de receita» e possuem vastas áreas de floresta praticamente intacta. Ele disse que a tribo dele resistiu a várias investidas de promotores. «Usarmos isso como um meio para permitir que as empresas continuem a poluir,» disse ele, «vai contra os nossos valores culturais.» Ele acrescentou: «Eu vejo isso como uma segunda onda de colonização.»

Desautel, o presidente do Intertribal Timber Counsil, vê isso de forma diferente. Quando a questão surge entre os membros tribais, ele explica que os poluidores sob esta lei precisam pagar ao Estado pela permissão para poluir ou aos proprietários de terras através das compensações de carbono.

«O cheque é escrito de uma forma ou de outra», disse ele. «É apenas uma questão de para onde vai e o que está a ser realizado com esse financiamento.»

Parisa, da SilviaTerra, disse que proprietários de terras e promotores de projetos continuarão a responder aos incentivos criados no programa, de formas que exageram no progresso da luta contra as alterações climáticas, até que o próprio programa mude.

«Precisamos de regras melhores», disse ele. «Vamos certificar-nos de que os dólares que gastamos realmente mudam as coisas.

«As florestas realmente podem ser uma parte da solução para o clima, mas ainda não acertámos bem.»

A repórter de investigação do ProPublica, Doris Burke, contribuiu para este relatório.

Nota do editor: O Conselho de Recursos Aéreos da Califórnia escreveu uma carta criticando as nossas histórias, disponível aqui. Afixámos uma resposta, assinalando onde discordamos dos pontos levantados, que está disponível aqui.

 


A história de fundo:

Como calculamos os créditos de compensação e o seu valor monetário

O valor dos créditos ao longo dessas histórias foi calculado usando o preço médio do quarto trimestre de 2020 para todas as compensações no sistema da Califórnia (13,67 dólares). A quantidade real de dinheiro ganho pelos proprietários de terras, promotores e outros atores no sistema dependerá de quando os créditos foram vendidos, quantos foram vendidos e quantos eles tiveram que contribuir para um fundo de reserva do programa. Estas são transações privadas e os termos específicos não são fornecidos a terceiros.

Quando o Air Resources Board emite créditos para um projeto, cerca de 20% desses créditos vão para o fundo de reserva. Os créditos do fundo de reserva nunca podem ser vendidos, mas atuam como uma espécie de barreira em caso de incêndios florestais, seca e outros eventos. Por exemplo, se um incêndio queimou parte de uma floresta localizada no local do projeto, resultando num milhão de toneladas de CO2 liberado no ar, um milhão de créditos seriam removidos do fundo de reserva para compensar a perda.

A nossa história inclui créditos ao fundo de reserva ao descrever os créditos emitidos para um grupo de projetos, já que todos esses créditos afetam a integridade do programa de compensação da Califórnia. Excluímos os créditos do fundo de reserva ao calcular os créditos ganhos por um único projeto e o seu valor monetário.

Como montamos nossos mapas

O primeiro mapa descreve a prática comum (média regional por acre) para a Super-secção da Costa do Norte da Califórnia, área de avaliação de coníferas mistas de Redwood / Douglas-fir (local de classe elevada) e a Super-secção de Southern Cascades, área de avaliação de coníferas mistas (local de classe elevada), com base no Protocolo de Compensação de Conformidade de 2015 do Air Resources Board. O segundo e o terceiro mapas mostram o que é efetivamente a prática comum para cada eco-secção dentro da Super-secção das Southern Cascadesl; A CarbonPlan calculou os números usando dados do Air Resources Board e do Programa de Análise e o Inventário Florestal do Serviço Florestal dos EUA. O terceiro mapa omite um projeto adicional na fronteira Califórnia-Oregon. Esse projeto tinha níveis iniciais de carbono abaixo da média regional e não foi incluído no estudo do CarbonPlan.

Como começa esta história

A ProPublica e a MIT Technology Review decidiram colaborar neste projeto por causa das respectivas reportagens históricas sobre compensações de carbono. Em 2019, a repórter do ProPublica Lisa Song escreveu sobre problemas com compensações florestais internacionais e o programa “cap-and-trade” da Califórnia. Separadamente, o editor da Technology Review, James Temple, passou grande parte de 2019 e 2020 a relatar as promessas e os desafios dos esforços de remoção de carbono, incluindo o programa de compensação de carbono de conformidade do Air Resources Board. Tanto Song quanto Temple entrevistaram independentemente vários co-autores do relatório CarbonPlan para as suas respectivas histórias.

No final de 2020, quando a CarbonPlan estava a meio de sua análise, o co-autor do estudo Danny Cullenward apresentou o estudo como uma história para a Technology Review. Temple então contactou Song para discutir uma parceria na reportagem. Decidimos que uma história tão complexa e técnica beneficiaria de uma colaboração na redação.

Cullenward, professor da Stanford Law School e diretor de políticas da CarbonPlan, estudou o sistema de política climática da Califórnia durante anos. Em 2019, Cullenward e o ecologista Grayson Badgley, seu ex-colega no Carnegie Institution for Science, decidiram analisar o programa de compensação do estado de uma forma abrangente depois de participar num workshop onde aprenderam mais sobre como foram elaboradas as regras do programa. (Cullenward também é vice-presidente da Comissão Consultiva do Mercado de Emissões Independentes, um grupo de especialistas convocado pela Agência de Proteção Ambiental da Califórnia para aconselhar o Conselho de Recursos Aéreos sobre “cap and trade”. Cullenward disse que no seu trabalho na CarbonPlan não fala pela Comissão.)

No início de 2020, Cullenward juntou-se à startup CarbonPlan. A ONG sem fins lucrativos avalia a integridade científica dos esforços de remoção de carbono. Isso inclui vários tipos de compensação de carbono, bem como tecnologias emergentes que removem o CO2 do ar. A CarbonPlan recebe financiamento específico para projetos de empresas e outras organizações. Por exemplo, Stripe pagou à CarbonPlan para avaliar diferentes opções de remoção de carbono.

A Microsoft também pagou à CarbonPlan para estudar como as mudanças climáticas afetariam a capacidade das florestas em mitigar o aquecimento global. A CarbonPlan usou parte desse financiamento para digitalizar os documentos do projeto de compensação de carbono florestal no programa da Califórnia. Badgley, um pós-doutorando na Black Rock Forest e na Columbia University, digitalizou esses registos e foi pago como consultor pela CarbonPlan.

A CarbonPlan então usou fundos irrestritos separados (de vários indivíduos e fundações) para estudar esses projetos, trabalhando com Badgley e outros cientistas, incluindo Barbara Haya, que lidera o Projeto de Comércio de Carbono de Berkeley na Universidade da Califórnia, Berkeley.

O seu estudo está focado na forma primária de compensações florestais no programa da Califórnia, chamado Improved Forest Management (IFM). Esses projetos IFM recompensam os proprietários de terras pelo manejo das suas florestas de forma a evitar mais emissões ou de forma a absorver mais carbono ao longo do tempo.

Em parte porque o estudo não foi submetido a um jornal científico, o que incluiria um processo formal de revisão por pares, tomamos medidas adicionais para verificar sua qualidade. Primeiro, fizemos uma verificação exaustiva e entrevistamos vários especialistas florestais sobre a premissa do relatório. A CarbonPlan ainda não tinha os números finais sobre o âmbito do crédito excessivo, mas os académicos com quem conversamos disseram que o uso de médias regionais de carbono criava a possibilidade de conceder créditos excedentes e incentivar a escolha seletiva.

Semanas depois, quando a CarbonPlan concluiu um rascunho, nós o enviamos a vários cientistas externos para uma revisão detalhada, incluindo Heather Lynch, Professora de Ecologia e Evolução na Stony Brook University e membro do conselho consultivo de dados da ProPublica; Dan Sanchez, que dirige o Laboratório de Remoção de Carbono na UC Berkeley; e David Valentine, presidente do Departamento de Recursos Naturais e Meio Ambiente da University of Alaska-Fairbanks.

Todos esses cientistas são especialistas em florestas, mudanças climáticas, ciclo do carbono e / ou remoção de carbono. Todos eles têm pelo menos uma compreensão geral das compensações da Califórnia, mas não trabalham para promotores de compensações.

Também enviamos o estudo para um quarto cientista, Hunter Stanke, um Ph.D. estudante da Escola de Ciências Ambientais e Florestais da Universidade de Washington. Stanke desenvolveu o software rFIA que a CarbonPlan usou na sua análise. O software analisa dados brutos do Programa de Análise e do Inventário Florestal do Serviço Florestal, frequentemente usado por académicos, agências governamentais e empresas madeireiras para fins não relacionados a compensações. Antes das redações enviarem o estudo a Stanke, ele forneceu assistência técnica no rFIA ao autor principal do estudo da CarbonPlan, mas ele não sabia que a CarbonPlan estava usando o software para estudar compensações.

Todos os quatro cientistas elogiaram o estudo e sua metodologia. Eles pediram esclarecimentos sobre vários detalhes técnicos, que enviamos à CarbonPlan. A organização sem fins lucrativos incorporou algumas sugestões menores em sua versão final, mas disse que as mudanças não alteraram as conclusões gerais.

A CarbonPlan também conduziu várias análises dos seus dados brutos a pedido dos repórteres, incluindo cálculos do nível de crédito excedente em projetos nos quais promotores específicos trabalharam.

Quando publicámos a história, a CarbonPlan publicou o estudo no seu site, juntamente com toda a sua metodologia e código e os arquivos brutos digitalizados de todos os documentos do projeto de compensação de carbono.
A CarbonPlan também submeteu o estudo para publicação numa revista científica com revisão por pares.

Esta história foi co-publicada com a ProPublica, uma redação sem fins lucrativos que investiga os abusos de poder. Inscreva-se para receber as suas maiores histórias assim que estas forem publicadas.